O que é?

A “dieta da USP” é uma dieta bastante restritiva que propõe o consumo abaixo de 1000 calorias por dia, durante uma semana.

O nome adotado por essa dieta é uma tentativa de passar maior credibilidade ao método, afinal, apesar de usar o nome da Universidade de São Paulo, a dieta não tem nenhuma relação com essa instituição – que já se pronunciou negativamente sobre.

A “dieta da USP” se caracteriza por uma dieta pobre em carboidratos que promete perda de peso rápida. O seu diferencial em relação a outras estratégias que promovem essas restrições é a recomendação de um cardápio fechado com indicação de quais alimentos consumir.

A seguir você vai ler sobre como essa dieta costuma ser feita, se existe algum benefício e quais as contraindicações.

Como a dieta da USP é feita?

A “dieta da USP” propõe um cardápio fechado com três refeições, com opções de alimentos, para ser seguido por uma semana, sem opções de substituições e sem considerar necessidades individuais de cada pessoa.

Nesse cardápio, alimentos fonte de carboidratos são reduzidos. O carboidrato é um nutriente importante para fornecer energia e está presente em alimentos como cereais (trigo, arroz, milho), tubérculos (batata-doce, batata-inglesa, batata-salsa, cenoura, mandioca, inhame) e frutas (maçã, banana, manga, uva, etc…). Esses alimentos também são importantes para fornecer vitaminas e minerais necessários para funções vitais do corpo humano.

Já a proteína é o nutriente priorizado no cardápio, que permite o consumo de ovos, presunto, carne, queijo e outros lácteos.

Não identificamos recomendação para o uso de gorduras nesta dieta.

A recomendação de saladas, apesar de ser “a vontade”, é monótona, sem orientar variedade.

Outra característica é que a dieta inclui café preto diariamente no cardápio.

A “dieta da USP” contraindica o consumo de bebidas alcoólicas, frituras e açúcar.

A proposta é que depois dos sete dias a pessoa até pode repetir a dieta, sem extrapolar um período maior do que duas semanas. Depois desse prazo não há nenhuma recomendação, o que leva a entender que a pessoa pode retomar aos antigos hábitos.

A dieta emagrece?

Assim como outras dietas que restringem carboidratos e calorias, a dieta leva a perda de massa muscular, de água e eletrólitos, para posterior perda de gordura corporal. A perda na balança em uma restrição tão severa ao longo de sete a quinze dias é consequência da perda de musculatura e desidratação, representando perda de peso, mas não emagrecimento.

A perda de peso rápida tende a não ser sustentável e levar ao chamado efeito sanfona, com reganho do peso perdido ou até maior que o inicial.

Quais são as contraindicações da “dieta da USP”?

A dieta tem um cardápio restritivo que não considera necessidades individuais. A dieta pode levar a carências nutricionais graves e desidratação. Dieta muito restritivas em carboidratos podem desencadear dores de cabeça, tonturas, náusea, fadiga, entre outras complicações, incluindo aumento do estresse. Para pessoas com histórico de doenças crônicas como diabetes, pressão alta, hipertireoidismo ou hipotireoidismo, por exemplo, pode agravar complicações de saúde.

A perda de peso rápida tende a não ser sustentável e levar ao chamado efeito sanfona, com reganho do peso perdido ou até maior que o inicial. A frustração com dietas desse tipo pode desencadear comportamentos alimentares desordenados e não saudáveis.

Ainda que seja realizada por um tempo curto e determinado, a dieta é monótona, muito restritiva e não estimula a adoção de hábitos alimentares e estilo de vida saudável.
A “dieta da USP” tem o agravante de recomendar doses de café preto, também sem considerar individualidade, podendo levar a dor de cabeça, dor no estômago, cólicas intestinais e batimento cardíaco acelerado. O consumo de café também pode interferir na absorção de nutrientes importantes como cálcio.

Considerações finais

Concluímos que a “dieta da USP” não é uma estratégia eficaz nem segura para promover a perda de peso. Existem diversas alternativas para realizar uma reeducação alimentar que te estimule a adoção de hábitos saudáveis e ganhe mais saúde. Se você quer perder peso, converse com um(a) nutricionista para entender suas preocupações, identificar as suas necessidades nutricionais e alimentares e entender quais as possibilidades de reeducação alimentar, sustentável e segura para o seu bem-estar.

Referência

Santana Melo, Hilda Matos de; Mayer Ben, Mariana del; Camargo Gavranich, Kátia Avaliação da adequação nutricional das dietas para emagrecimentos veiculados pela internet ConScientiae Saúde, núm. 2, 2003, pp. 99-104 Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil