O chá de Boldo é bom para as crises de vômito, pois age diretamente no fígado (vou explicar mais para frente), vamos às perguntas: Será que ele auxilia no processo de emagrecimento?

É tóxico? Quais são os seus benefícios?

Tudo isso e muito mais você saberá se me acompanhar.

Vamos lá?

Chá de Boldo

O Boldo (Peumus boldus) é uma planta medicinal utilizada há muitos como remédio caseiro. Ele é originário da região dos Andes do Sul e é muito encontrado no Chile, por isso que você também pode conhecê-lo como Boldo-do-Chile. A população andina indígena utiliza muito essa planta medicinal para dores reumáticas, em casos de luxações de membros e no tratamento de problemas digestivos e hepáticos. O Boldo caracteriza-se por ser uma planta arbustiva, que pode alcançar até seis metros de altura e pertence à família Monimiaceae. Essa planta medicinal é rica em propriedades antioxidantes, flavonóides, alcalóides (boldina), antissépticas, antibacterianas, anti-inflamatórias, estimulantes, sedativas, tônicas e vermífugas. Além disso, há óleos essenciais (ascaridol), taninos, glicolipídios, compostos fenólicos e fitoquímicos.

Não foram achados materiais científicos que trouxessem à luz os valores nutricionais do chá de Boldo, somente seus aspectos farmacológicos, como por exemplo no artigo de RUIZ e colaboradores (2008) e HERRERA-RODRÍGUEZ (2015). No site da USDA, há uma aba sobre o assunto, mas os resultados são inconclusivos (não há informações nutricionais em 100 g de folhas de Boldo). Deixo disponível o link aqui, caso você queira ver. Existem outras espécies de Boldo, como por exemplo o Boldo-da Terra (Coleus barbatus ou Plectranthus barbatus) e Boldo-Baiano (Vernonia condensata). Os benefícios dos mesmos são iguais, portanto vou focar mais no Boldo-do-Chile, aquele que eu tinha em casa e é bem amargo.

Benefícios

  • Auxilia na digestão, pois em sua composição há um alcalóide chamado boldina, que é conhecida por estimular o fluxo de bile para o fígado. A bile possui um papel fundamental na digestão e absorção de gorduras, bem como a excreção de diversas toxinas/produtos do sangue;
  • Em casos de ressaca, o chá de Boldo é uma “mão na roda”, pois a boldina (olha ela aí novamente) é hepatoprotetora, auxilia na desintoxicação e a estimular o fluxo de bile, protegendo assim as células do fígado que estão sobrecarregadas pelo excesso de bebida alcoólica;
  • Ele é um grande aliado do fígado, sendo ótimo para a saúde deste órgão;
  • Reduz a produção de gases, pois facilita o processo de digestão, diminuindo a quantidade de resíduos alimentares não digeridos, que iriam ser fermentados, causando assim os gases;
  • Possui ação diurética, o que pode auxiliar no processo de emagrecimento, pois tem ação direta na metabolização das toxinas que chegam no organismo, protegendo as células do fígado, evitando que elas se acumulem neste órgão e inibindo sua ida ao sistema linfático, ajudando assim na eliminação das mesmas através da urina;
  • Por sua ação antimicrobiana e antioxidante, o Boldo é um grande aliado da imunidade, pois auxilia no processo de eliminação dos agentes infecciosos do corpo;
  • Pode ser utilizado como um  laxante suave em casos de prisão de ventre. É necessário utilizá-lo com moderação, pois pode ser tóxico para o corpo;
  • Ameniza dores nas barriga, dores de cabeça e qualquer tipo de mal-estar relacionado ao fígado, por suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Emagrece?

Ele auxilia no processo de emagrecimento, pois em sua composição há propriedades que ajudam no processo de diurese, diminuição da inflamação e do processo de formação dos gases, desintoxicação do fígado e melhora da digestão, deixando assim uma sensação mais leve no corpo e uma barriguinha mais “lisa” por conta da perda do inchaço do corpo. É preciso avaliar o caso de cada um, bem como a alimentação, se é rica em farináceos e outros componentes que ajudam as células a inchar, o acúmulo de gorduras e uma má digestão. Por isso que sempre digo, é necessário uma reeducação alimentar e a prática de exercícios físicos junto com a ingestão do chá. 

Contraindicações

O chá de Boldo é contraindicado para pessoas que possuem doença hepática aguda ou severa, pancreatite, câncer hepático, colecistite séptica (inflamação da vesícula biliar) e espasmos no intestino. Mulheres grávidas e crianças até seis anos de idade não devem fazer o uso do mesmo. 

Efeitos colaterais

O chá de Boldo, quando tomado em altas quantidades, tem efeito tóxico no corpo. Doses maiores do que 100 mg do seu extrato seco por vez podem causar:

  • Alucinações;
  • Vômitos;
  • Diarréias;
  • Letargias (estado de profunda e prolongada inconsciência);
  • Convulsões.

A dose recomendada do seu uso em infusão é de 1 – 2 g de folhas picadas em 150 mL de água, duas vezes ao dia.

Receita

Eu sei, já dei um spoiler acima, né? Abaixo, segue uma receitinha de chá de Boldo. Pegue um papel e caneta e vem comigo!

Ingredientes:

  • Uma colher de folhas secas de Boldo;
  • 150 mL de água.

Modo de preparo:

  • Ferva a água;
  • Adicione as folhas de Boldo;
  • Apague o fogo e deixe descansar por 10 minutos;
  • Coe;
  • Você pode tomar o chá após as principais refeições, para ter uma boa digestão.

Conclusão

O Boldo é uma planta medicinal muito utilizada por índios da região andina no sul do Chile, principalmente em casos de dores reumáticas e no tratamento de problemas digestivos. Seus principais benefícios são para o sistema gastrointestinal, pois age diretamente nas vias hepáticas, melhorando a digestão, cessando vômitos, protegendo as células, desinchando e auxiliando na imunidade do corpo. Por ser uma planta que tem alto poder diurético e que melhora a parte de digestão do corpo, ela auxilia no processo de emagrecimento, mas é necessário realizar exercícios físicos e passar a reeducar a alimentação para uma mais saudável. Espero que você tenha gostado deste artigo. Até o próximo!

Fontes

  1. Farmacologia e Toxicologia de Peumus boldus e Baccharis genistelloides
  2. https://ndb.nal.usda.gov/fdc-app.html#/food-details/398791/nutrients
  3. Bioactivity of Peumus boldus Molina, Laurelia sempervirens (Ruiz & Pav.) Tul. and Laureliopsis philippiana (Looser) Schodde (Monimiacea) essential oils against Sitophilus zeamais Motschulsky
  4. Horto didático de plantas medicinais do HU/CCS