O que é dieta cetogênica?

A dieta cetogênica clássica foi um tratamento frequente para epilepsia em crianças até a introdução de fármacos específicos no final dos anos 1930. A dieta cetogênica reapareceu no final da década de 1990 como um tratamento para epilepsia intratável ou convulsões refratárias, e continua sendo uma terapia viável em casos em que a intervenção farmacológica não é suficiente. Nos últimos 20 anos, seu uso começou a ser explorado também no tratamento de pacientes com distúrbios metabólicos hereditários envolvendo glicose (açúcar em sua forma mais simples, produto da digestão dos carboidratos).

  Mais recentemente, se popularizou como proposta de dieta voltada para emagrecimento.

A dieta cetogênica é uma dieta que se caracteriza por baixa ingestão de carboidratos, moderada de proteínas e com alto consumo de gorduras. Nessa dieta, as gorduras chegam a fornecer aproximadamente 80% das necessidades calóricas previstas para o dia. 

Em teoria, a alta ingestão de gorduras combinada com a baixa ingestão de carboidratos estimula a mobilização de gorduras corporais para uso como fonte de energia, o que leva ao emagrecimento. Normalmente nosso corpo utiliza glicose, obtida a partir da digestão dos carboidratos, para obter energia necessária em nossas atividades vitais. Com a dieta cetogênica, a restrição de carboidratos e aumento de gorduras leva o corpo a uma adaptação em que reduz drasticamente a utilização da glicose e passa a usar “corpos cetônicos”, que são as moléculas que derivam da quebra das gorduras.

Essa adaptação pode trazer benefícios ou prejuízos, como veremos melhor a seguir.

Quais os benefícios da dieta cetogênica? Ajuda a emagrecer?

O excesso de peso considerando o Índice de Massa Corporal (peso dividido pela altura elevada ao quadrado) tem sido associado ao aumento do risco para desenvolver complicações de saúde como pressão alta, diabetes mellitus tipo II e doenças cardiovasculares. 

Modificações comportamentais, especialmente mudanças na alimentação e prática de exercícios físicos, são recomendadas para evitar ou controlar o ganho de peso considerado excessivo segundo esse parâmetro.

Há bastante tempo, uma ou outra dieta acaba virando moda com a promessa de auxiliar o processo de emagrecimento de forma rápida e eficaz. Infelizmente, na maioria das vezes, essas dietas da moda não tem comprovação de segurança para a saúde e eficácia para perda de peso a longo prazo.

No caso da dieta cetogênica, ela tem sido considerada uma nova aposta para induzir a perda de peso rápida. A restrição de carboidratos na dieta é proposta para induzir a utilização de corpos cetônicos vindos da quebra dos ácidos graxos mobilizados da gordura corporal, resultando na perda de peso. Mas seus resultados são controversos.

A maioria dos estudos recentes demonstra que um período de dieta cetogênica, com baixo teor de carboidratos, pode ajudar a controlar a fome e pode melhorar o metabolismo oxidativo da gordura e, portanto, reduzir o peso corporal. Alguns resultados positivos sobre os fatores de risco para doenças cardiovasculares, como, por exemplo, redução do colesterol total, aumento do colesterol bom e redução dos triglicerídeos no sangue também podem são observados em alguns casos. A dieta cetogênica poderia ser usada também como estímulo para perda de gordura e ajuda na adaptação metabólica e transição para uma alimentação com estilo da dieta mediterrânea. Entendida corretamente, prescrita e acompanhada por nutricionista capacitado, a dieta cetogênica pode ser uma estratégia útil por período limitado. 

Em comparação a outras dietas que também restringem carboidratos e apresentam resultados semelhantes, é questionável o quanto os resultados sobre a perda de peso são por conta da composição da dieta ou pela restrição calórica resultante no final. Por isso, o quanto essa estratégia é superior a outras ou o quanto seus resultados são válidos a longo prazo, são questões que precisam ser mais investigadas. 

Como fazer a dieta cetogênica?

Diversas estratégias de dieta restringindo carboidratos vem surgindo nos últimos anos, mas nem todas caracterizam uma dieta cetogênica.

A dieta cetogênica se caracteriza pela oferta muito baixa de carboidratos, normal em proteínas e alta em gorduras. Em dietas cetogênicas ou dietas cetogênicas com muito baixo carboidrato a ingestão de carboidratos pode variar entre 20-50 gramas por dia ou menos de 10% das calorias totais do dia. 

Novos tipos de dietas cetogênicas usando refeições que imitam alimentos ricos em carboidratos vêm sendo apresentadas com intenção de melhorar a adesão à dieta.

A dieta necessita de cuidados, como prestar atenção à função renal e a fase de transição da dieta cetogênica para uma dieta normal, que deve ser gradual e bem controlada.

A duração da dieta cetogênica pode variar de um mínimo (para induzir a cetose fisiológica) de 2-3 semanas a um máximo (seguindo um princípio geral de precaução) de muitos meses (6-12 meses). 

Por todos esses cuidados, reforçamos que é imprescindível a avaliação e acompanhamento de profissionais de saúde para aplicação dessa dieta. 

A dieta cetogênica tem algum risco?

Os resultados da dieta cetogênica são controversos e levantam uma série de preocupações quando o público leigo busca realizá-la sem indicação e supervisão médica.

Os resultados sobre níveis de açúcar no sangue, gorduras no sangue, função do fígado e renal são controversos. 

Restrições severas na ingestão de carboidratos são relacionadas a quadros de dor de cabeça, náuseas, aumento do cortisol (hormônio relacionado ao estresse). A perda de peso rápida pode levar a desordens do metabolismo, sobrecarga renal e hepática, com possível aumento de colesterol total e “colesterol ruim”. 

Em crianças com epilepsia, a dieta cetogênica pode levar a piora da saúde óssea, então essa também é uma preocupação quando essa dieta é adotada por outros públicos. Chances para desenvolvimento de cálculo renal também precisam de cautela. Mais investigações são necessárias para observar efeitos hormonais da dieta em seres humanos. 

De forma geral, dietas restritivas podem levar a carência de nutrientes predispondo a doenças diversas e desordens psicológicas graves, incluindo transtornos alimentares.

Conclusão

Embora a aplicação da dieta cetogênica tenha demonstrado resultados promissores sobre perda de peso e melhora da saúde em descobertas recentes, mais pesquisas são necessárias para avaliar essa estratégia a longo prazo. Se você tem interesse de realizar essa estratégia, converse com seu médico e nutricionista para avaliar a possibilidade de fazer com segurança. Lembre-se que hábitos alimentares saudáveis devem ser nutricionalmente equilibrados para suas necessidades, acessíveis e sustentáveis para seu estilo de vida.

Referência

Paoli A. Ketogenic diet for obesity: friend or foe?. Int J Environ Res Public Health. 2014;11(2):2092-2107. Published 2014 Feb 19. doi:10.3390/ijerph110202092 

Armeno, M., Caraballo, R., Vaccarezza, M., Alberti, M. J., Ríos, V., Galicchio, S., de Grandis, E. S., Mestre, G., Escobal, N., Matarrese, P., Viollaz, R., Agostinho, A., Díez, C., Cresta, A., Cabrera, A., Blanco, V., Ferrero, H., Gambarini, V., Sosa, P., Bouquet, C., … Panico, L. (2014). Consenso nacional sobre dieta cetogénica [National consensus on the ketogenic diet]. Revista de neurologia59(5), 213–223.