Durante a digestão, as proteínas – proveniente de fontes tanto animais, quanto vegetais – são quebradas em partículas menores, chamadas aminoácidos.

Nosso corpo precisa desses aminoácidos para desempenhar suas funções satisfatoriamente: manutenção e construção de músculos, produção de energia, funcionamento dos órgãos, cicatrização, crescimento de cabelos etc.

Ao todo, existem apenas 20 aminoácidos – que são os responsáveis pela construção de todos os diferentes tipos de proteínas presentes tanto no nosso corpo, quanto nos animais e vegetais.

Desses 20 aminoácidos, nosso organismo consegue sintetizar onze; os nove restantes (leucina, isoleucina, metionina, histidina, lisina, treonina, fenilalanina, triptofano e valina) precisam ser obtidos através de alimentação.

As proteínas de origem animal, como as carnes, leite e ovos, possuem todos os aminoácidos essenciais ao nosso organismo.

Os vegetais, apesar de serem limitados em alguns aminoácidos essenciais, quando combinados podem se complementar e fornecer esses aminoácidos: é o caso do clássico arroz com feijão, onde o arroz é pobre em lisina e rico em metionina e o feijão o complementa, pois é rico em lisina e pobre em metionina.

Outras combinações de cereais com leguminosas também proporcionam os todos os aminoácidos essenciais, como arroz com lentilha.

E é justamente a partir desses dois aminoácidos que nosso organismo sintetiza a L-Carnitina, tema deste artigo.

O que é a L-Carnitina e quais suas funções no organismo?

Embalagem do suplemento L-Carnitina.

                A L-Carnitina é uma substância sintetizada nos rins e no fígado e armazenada principalmente nos músculos, construída a partir de dois aminoácidos essenciais: a lisina e a metionina.

A L-Carnitina atua na produção de energia pelas células, pois ela mobiliza e propicia a oxidação dos ácidos graxos no interior das células (mitocôndrias), transformando-os em energia.

Por esse motivo, a L-Carnitina é associada à um aumento da queima de gordura e melhora do desempenho esportivo – e, dessa forma, poderia ser utilizada como estratégia para redução da gordura corporal e perda de peso.1

Alguns estudos apontam que a suplementação com L-Carnitina possui efeitos benéficos na oxigenação muscular após o exercício, facilitando a recuperação; melhora no perfil lipídico, reduzindo os níveis de colesterol e triglicerídeos; redução da fadiga física e mental, entre outros.2

                Pesquisas mostraram que a L-Carnitina possui efeitos benéficos à musculatura do coração, podendo ser utilizada como tratamento coadjuvante nos casos de doenças cardiovasculares, como infarto e insuficiência cardíaca.

Essa substância também poderia trazer benefícios aos pacientes com doenças renais e hepáticas – como a L-Carnitina é sintetizada nesses órgãos, seu mau funcionamento poderia afetar as concentrações da substância no organismo.3

Suplemento de L-Carnitina Emagrece?

Suplemento em pó do L-Carnitina

                Devido a sua capacidade de mobilizar gordura para produção de energia, alguns estudos mostram que a suplementação com L-Carnitina pode ser benéfica para o emagrecimento.

Pesquisas mostraram que, quando suplementada em indivíduos que praticavam exercícios de físicos de intensidade leve à moderada, a L-Carnitina contribuiu para o uso de gordura como fonte de energia predominante.4

                Outros estudos apontam para a redução da gordura corporal quando a L-Carnitina foi utilizada como suplemento, aliada à prática de atividades físicas e uma alimentação equilibrada, mostrando o seu potencial para o emagrecimento, comprovando que esses indivíduos perderam mais peso e reduziram seu IMC (Índice de Massa Corporal) quando comparados a indivíduos que não utilizaram o suplemento. 1

                Dessa forma, a L-Carnitina poderia ser uma aliada às estratégias clássicas de emagrecimento – prática de exercícios físicos regularmente e bons hábitos alimentares.

Existem contraindicações no consumo de suplementos de L-Carnitina?

                Estudos mostram que os efeitos colaterais ao uso de suplementos de L-Carnitina são raros e normalmente relacionados a náuseas, dores de cabeça e desconforto gástrico.

Não foram observadas alterações nas enzimas hepáticas, na função renal e nem nos níveis de glicose sanguínea.3

                Apesar disso, é importante que a utilização de suplementos de L-Carnitina seja avaliado por um médico ou nutricionista, que irá indicar a dosagem recomendada e o melhor horário para o consumo.

1 MAFFINI, P.H.; PELOSO, E.F. Efeitos Ergogênicos Da L-Carnitina No Metabolismo Lipídico. Saber Científico, Porto Velho, v.6, n.2, p.90 –103, jul./dez. 2017.

2 FIELDING, R.; RIEDE, L.; LUGO, J.P.; BELLAMINE, A. Suplementação Com L-Carnitina Na Recuperação Pós-Exercício. Nutrients 2018, 10(3), 349; doi: 10.3390/nu10030349.

3 COELHO, C.F., MOTA, J.F.; BRAGRANÇA, E.; BURINI, R.C. Aplicações clínicas da suplementação de L-carnitina. Rev. Nutr. vol.18 no.5 Campinas Sept./Oct. 2005.

4 Wyss V, Ganzit GP, Rienzi A. Effects of L-carnitine administration on VO2max and the aerobic-anaerobic threshold in normoxia and acute hypoxia. Eur J Appl Physiol. 1990;60(1):1-6.